terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

Faça o que eu digo, não faça o que eu faço?



É muito famoso o ditado popular “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”. Representa algo que é verdade para muitas pessoas, que têm um discurso maravilhoso, positivo, mas cujas ações são bastante diferentes do que pregam: agem com ódio, displicência, egoísmo, negativamente… Isso significa que tais pessoas são hipócritas, falam uma coisa e fazem outra? Nem sempre.

Ter o conhecimento necessariamente não significa conseguir colocá-lo em prática, vivenciá-lo. Espera-se que se alguém sabe algo útil, benéfico, deve usar isso a seu favor, sempre. Só que nós, seres humanos, não somos máquinas que reagem da mesma forma sempre que um comando é dado ou uma necessidade aparece. Muitos fatores podem fazer com que uma pessoa não consiga usar seu bom conhecimento. Medos ainda não superados, pensamentos distorcidos e/ou raivosos, falta de crédito no próprio conhecimento ou mesmo em si, achando que todas as coisas boas que sabe não podem ser aplicadas a ela, que não é uma pessoa digna de tanto, momentos de perturbação, e por aí vai. Até mesmo o fato de sermos humanos e não acertarmos sempre (nem termos a obrigação disso) nos faz agir muitas vezes em desacordo com nossos conhecimentos positivos.

Há pessoas, sim, que falam uma coisa e deliberadamente fazem outra. Há quem fale algo e algumas vezes aja de acordo com isso. E há pessoas bastante sábias, maduras, que conseguem na maioria das vezes agir de acordo com as boas palavras que dizem. O que é preciso termos em mente é que as más ações da pessoa, as ações contrárias aos seus pensamentos positivos e palavras inteligentes, não invalidam o que ela nos transmite de bom em seu discurso. Ela pode, sim, nos dizer algo muito útil e verdadeiramente construtivo, mas por diferentes razões, como já citado, não colocar em prática.

Quem é que nunca disse ou ouviu “Quem é você para me dizer isso? Você, que faz o oposto do que me fala!”. Ou “Você querendo me dar bons conselhos? Olhe primeiro para si, veja se aplica isso à sua vida!”. O que ouvimos dos outros primeiro precisa ser analisado antes de ser aceito ou recusado. Se concluirmos, numa análise centrada e isenta, que a pessoa nos passou algo bom, por que não incorporar a informação e usá-la em favor próprio ou para alguém que a necessite? Nessas horas, é absorver o que a pessoa nos transmite de útil, esquecendo um pouco suas más ações com os demais ou com ela mesma.

O ideal seria que a pessoa fosse a personificação de todas as coisas boas que fala, mas não vivemos num mundo ideal nem devemos perseguir isso, pois é uma busca infrutífera que só levará a decepções. O importante é saber que boas lições e informações podem vir até das pessoas aparentemente menos indicadas para isso, pode vir de quem menos se espera e acredita. Portanto, a grande sacada é ficar de olhos, ouvidos, corações e mentes abertos para o que existe e podem nos passar de positivo. E, claro, procurar ao máximo viver de acordo com o que sabemos ser o melhor para nós, sem cobranças se vez ou outra não conseguirmos e fizermos o oposto, mas sempre tentando a maior parte do tempo agir da melhor maneira. Nunca desdenhando de ninguém e invalidando o que possivelmente é aproveitável do que nos falam, mesmo que venha da pessoa em que menos botamos fé.

Afinal, até mesmo nos charcos mais lodacentos e feios podem surgir flores.

8 comentários:

Luna Sanchez disse...

Docinho,

Amei o que li, sabia?

Eu, por vezes, faço uma coisa e digo outra. E por que? Porque, naquele momento, o conselho que estou dando àquela pessoa, é o que me parece ser o melhor para ELA, mesmo que, se a situação fosse comigo, eu agisse de forma diferente.

Isso é consciência, é enxergar a cena na íntegra, é ser flexível, enfim, não tem nada de demagogia, aí.

Parabéns pelo post!

Beijo, querida! =)

ℓυηα

Altavolt disse...

Texto bastante reflexivo, Sweet, que nos faz pensar um pouco nas frases feitas e nos clichês. Só o fato de fazer pensar já torna o post muito interessante. Parabéns! Beijão!

Menina Misteriosa disse...

Sweet,
Não é à toa que te admiro tanto!
Você é uma pessoa especial.
Concordo tanto com o que disse, que nem sei por onde começar...
...acho que devemos estar sempre abertos e usar o que recebemos da melhor maneira possível...
...pra quê apontar os erros dos outros?...
...pra que julgar, condenar se nós mesmos somos imperfeitos?...
...pra que exigir a perfeição? (de nós e dos que nos cercam?)...

Acho que podemos viver de forma mais leve, descontraída, divertida e aprender não só com nossos erros, mas com as experiências dos que nos cercam. Ter humildade para ouvir e não condenar é um dom!

Te adoro!
Beijos

Sujeito Oculto disse...

Até porque, nem sempre conseguimos fazer o que achamos ser o mais apropriado.

Stiegblue disse...

Sim, isso é totalmente relacionadas com a atitude ... Ao invés de questionar "Quem é você para o conselho '.. basta aceitar o significado que ela tem .. porque ninguém é perfeito neste mundo ..
Bom artigo sweet ..
Stiegblue

Luna Sanchez disse...

Passando pra deixar beijos, querida. Saudade grandona, de ti!

ℓυηα

Stiegblue disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Stiegblue disse...

Foi antes de dois dias à noite eu tinha uma caminhada de volta à minha casa depois do meu trabalho elástico e cansativo. Por isso, convidou-me a algumas reflexões que muito raramente ocorreu .. alguns aspectos negativos e positivos apenas misturado .. Então eu pensei "era só isso acontecer para mim ou para todas as pessoas que estão na mesma linha? . Fiquei pouco perplexo e senti falta muitos momentos importantes na vida que eu teria gostado, se eu tivesse sido a minha cidade natal ... Este é um caso simples e isso tem reflexo em todos os aspectos de assuntos que passa através de cada pensamento que vem através da mente.

Assim, para filtrar mais a este respeito, de repente senti a atitude deve ser mudada, a maneira como percebemos as coisas e observá-los. Rosas nascem com espinhos. Mesmo que eles se espalharam por todo fragrância, os espinhos em torno deles impede que a flor sendo arrancados ...
Então, considere a bondade ea segui-lo até grandes alturas, de modo a tornar-nos felizes e com conteúdo. Mente do homem ocioso é oficina demônios. Manter-nos envolvidos em grandes coisas como a leitura de livros que são úteis para melhorar o interesse e auto-confiança ... seja ele história da biografia vai certamente ajudar. O hábito de realizar boas ações, certamente irá moldar-se a formação do caráter.

formou caráter projetos ATITUDE!

Prezados amigos espero que tenha gostado do blog ..escrever comentários!