quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Top 10 Cartões Vermelhos

Já faz um certo tempo, recebi uma lição de casa de dois grandes amigos dos blogs: Altavolt e Menina Misteriosa. Vinha ensaiando para concluir, pois as últimas semanas foram bem corridas, e a criatividade baixa.. hehehe! Mas, conforme prometido, aí vai: A idéia é listar 10 coisas ou situações que mais irritam, causam transtorno ou atrapalham nossa vida de alguma forma, e lhes atribuir cartões vermelhos.


Assim, aí vai o meu Top 10 Cartões vermelhos que não estão listados por ordem de importância nem preferência, nem qualquer ordem. Apenas são as 10 coisas que mais me incomodam atualmente.. hehehe


Grande beijo aos meus queridos e foi mal pela demora da lição de casa!


Top 10 Cartões Vermelhos


1 – Pessoas que se comprometem e não cumprem;

2 – Pessoas que só sabem reclamar da vida;

3 – O Metrô de São Paulo, que vive tendo problemas, causando transtorno na vida de milhares de cidadãos.

4 – As impressoras do departamento em que trabalho... São 3 e sempre 2 se revezam com problemas, causando um imenso gargalo no trabalho de 50 pessoas.. rs

5 – Atendentes de operadoras de telefonia fixa e móvel.

6 – Os motoboys... Não sei como é nas outras regiões, mas aqui em Sampa a situação é calamitosa e odiosa... Eles se acham os donos das ruas, do trânsito, da sua vontade, da sua localização, da sua vida. Um dia ainda abro a porta do carro quando ouvir uma buzininha me mandando encostar pra esquerda pra eles poderem costurar! Hahaha brincadeira, não faço isso... Mas fico mentalmente xingando o indivíduo e levanto o dedo que tem vontade própria, coisa que o nosso querido Altavolt já explicou muito bem aqui.

7 – O Banheiro do setor onde eu trabalho... São 2 cabines e 3 pias para 30 mulheres. Dá pra imaginar? Detalhe: A empresa é de grande porte.

8 – Todos os tipos de poluição das grandes cidades, especialmente aqui em São Paulo. Poluição visual (até que diminuiu um pouco), sonora, do ar, das águas, das ruas, das mentes.

9 – Discriminação social, cultural, ideológica, étnica...

10 – Vou encerrar dando um cartão vermelho pro estresse, pra vida corrida, pra falta de tempo... Justo agora que minhas férias estão se aproximando, meu subconsciente está percebendo e está fazendo meu corpo diminuir o ritmo antes do tempo... tenho que aguentar mais uns dias de trabalho ainda, por favor!! rsrs

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Vício danado, essa delícia!



Responda sinceramente:

Você consegue olhar esta foto e não encher a boca de água e ter uma vontade súbita de comer chocolate?

Eu não sei quanto por cento da população é chocólatra, mas raramente ouço alguém dizer que não gosta de chocolate... Eu sou chocólatra... bem, era uma chocólatra em recuperação né.. Eu já tinha até vencido a ansiedade que me dava vontade de comer uma boa barra de chocolate, ao ponto de olhar uma imagem dessas e nem sentir nada...

Mas... eu abri uma pequena exceção, uns tempos atrás... Permiti-me comer apenas uma vez por semana (já que eu sou alérgica a chocolate). De uma vez por semana, passou para duas, três... E agora já me vejo novamente tendo aquelas vontades súbitas todos os dias!

Hoje foi o cúmulo: comi uma barra grande em menos de 30 minutos... coloquei aqui na gaveta da minha mesa e enquanto não acabava eu não conseguia parar de comer... rsrsrs

Ah, chocolate... Bendito mal-feitor que tanto me agrada!!! Sai daqui!!!

Não, não... vem pra cá, vem! Aaaahhh!!

quinta-feira, 3 de setembro de 2009

Sutilezas (doces) da vida



E então novamente...
Nossos caminhos se cruzam,
Nossas palavras se correspondem,
Nossos olhares se encontram...

Não sou mais aquela menina de antes,
Nem você é mais aquele garotão
Apenas a essência permanece
Mas as peculiaridades, ah elas são tantas e diferentes...

Como eu poderia não amar você
Se sua alegria me contagia,
Se sua virilidade me atrai,
E sua proteção me conforta?

Surpreendi-me pensando em você noite passada
E então no sonho que se seguiu
Você apareceu e tomou minha mão entre as suas
Dizendo: seja minha hoje e sempre!

Ah mas que tolice pedir-me isso
Se já sou sua desde aqueles tempos
Em que adolescentes tentávamos fingir
Que não havia faíscas em nossos olhares

Se sua segurança me inspira
Se seu olhar me envolve
Se seu cheiro me inebria
Como eu poderia não amar você?