quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

A hora da razão




Quando eu era jovem, parecia que a vida era tão maravilhosa,
Um milagre, oh ela era tão bonita, mágica.
E todos os pássaros nas árvores, eles cantavam tão felizes,
Alegres, brincalhões, me olhando.
Mas aí eles me mandaram embora, para me ensinar a ser sensata,
Lógica, responsável, prática.
E me mostraram um mundo onde eu poderia ser confiável,
Doente, intelectual, cínica.

Tem vezes, quando todo mundo dorme,
As questões correm profundas demais para uma pessoa tão simples.
Por favor, diga-me o que aprendemos
Eu sei que soa absurdo,
Mas por favor me diga quem eu sou.

Agora, cuidado com o que você diz,
Ou eles te chamarão de radical,
Liberal, fanático, criminoso
Você não vai assinar seu nome?
Gostaríamos de sentir que você é aceitável,
respeitável, aprensentável, um vegetal !

À noite, quando todo mundo dorme,
As questões correm tão profundas para uma pessoa tão simples.
Por favor, diga-me o que aprendemos
Eu sei que soa absurdo,
Mas por favor me diga quem eu sou. Quem eu sou...

Nenhum comentário: