quarta-feira, 28 de março de 2007

Perda

Lidar com a morte nem sempre é tarefa fácil, né?
Sabemos que é inevitável, mas sempre esperamos que ela só vá acontecer em um prazo de tempo o maior possível.
Nesta segunda-feira perdi um amigo. Vinte e um anos de idade. Câncer.
Ótima pessoa. Eu diria pessoa quase perfeita. Sim, "quase" porque dizem que ninguém é perfeito. Embora eu não tivesse tido tempo suficiente para conhecer algum defeito dele, e ele também não tivesse deixado transparecer nenhum. Rapaz alegre, prestativo, calmo, compreensivo, estudioso, dedicado à família. E então aos 20 anos descobre câncer no rim. E a partir de então, foi um ano e pouco baseado em quimioterapias, internações, e toda a rotina que nem quero descobrir que essa doença demanda de uma pessoa.
Mas em nenhum momento vimos esse rapaz esmorecer, ou fazer cara feia, ou se revoltar, ou ficar triste. Ao contrário, continuava sorrindo, dizendo que estava tudo bem.
E às vezes reclamamos de falta de dinheiro para comprar aquele lançamento, reclamamos do trânsito, do metrô, do ônibus, da falta de educação das pessoas na rua, do nosso chefe, dos nossos pais que pegam no nosso pé, do colega de trabalho que é um cretino, do Papa. Mas será mesmo que todos esses pequenos problemas são mesmo tão difíceis quanto fazemos parecer?
Eu parei para pensar nisso enquanto olhava o meu amigo no caixão e segurava sua mão gelada. E ele continuava com aquele semblante de paz, serenidade, mostrando que estava tudo bem.
O que me consola é pensar que ele é um espírito evoluído e cumpriu sua missão entre nós. E que só deixou boas lembranças nas mentes e nos corações daqueles que tiveram a honra de conviver com ele. Espero que essa idéia também console a família dele.
Mas ainda estou triste. Porque depois que uma pessoa querida se vai, sempre ficamos com aquela sensação de que devíamos ter feito mais alguma coisa por ela enquanto estava viva. De que não deveríamos ter perdido aquela oportunidade de estar com a pessoa naquele dia talvez não exatamente especial, mas que agora nos faz sentir falta do que não aconteceu.
Ao menos, o que aconteceu foi muito mais do que satisfatório.
Enfim, que ele descanse em paz.

terça-feira, 27 de março de 2007

Pra começar

Resolvi iniciar um blog.
Não tenho nenhuma experiência com isso, mas não acho que seja assim tão difícil né?
Mas as postagens ficam pra amanhã porque tenho que fazer a famosa maratona do trabalho para a faculdade... triste...
Até....